Em que lado da trela gostaria de estar? Um guia rápido para praticar ‘puppy play’

Sara Martínez 17/03/2021

Há quem compra vestidos cor-de-rosa para o seu yorkshire e gosta de fazer totós nele como se fosse um boneco da infância, e depois há outros que desfrutam a andar de quatro com uma máscara de cão. Humanizá-los ou tornar-se um deles, essa é a questão. A web está cheia de termos como ‘pet play’, ‘poney play’, ‘puppy play’, ‘furry’... Mas o que é que eles significam exactamente? Vejamos. ‘Pet play’ englobaria qualquer jogo de role-playing em que uma pessoa assume o papel de animal de estimação por divertimento e prazer, seja ou não prazer sexual. Alguns dos seus seguidores afirmam que é uma forma fantástica de libertar o stress, um tipo de terapia psicológica que ajuda a lidar com os problemas da vida quotidiana. Um animal de estimação não paga a hipoteca, não suporta o patrão e não se preocupa com o aumento dos preços da electricidade ou do coronavírus. Segue o seu próprio caminho, farejando rabos, ronronando, rolando de pernas para o ar a espera de que lhe cocem a barriga, ou o que quer que cada espécie faça. Porque aqui vem a segunda divisão, não é o mesmo brincar a ser um cão (puppy play), gato (cat play) ou pónei (pony play). O comportamento é diferente e o mesmo acontece com os acessórios e vestuário.

Finalmente, a comunidade 'furry' cria personagens animais com características antropomórficas; isto é, disfarçam-se de animais com características humanas que identificam como alter ego, mas não se sentem como animais. Tem conotações sexuais? Para muitos, sim. É preciso que fique claro que ambos concordam em que em caso algum utilizam animais reais nos seus jogos, que não têm gostos zoofílicos, que deve haver sempre consenso entre os participantes e que não prejudicam ninguém.

Uma vez estabelecidas as bases, iniciamos a viagem. Pegue na sua mala porque vamos para São Francisco, berço e lar de uma miríade de subculturas de todo o tipo, dos hippies ao ‘pet play’. Na cidade norte-americana, o movimento ‘puppy play’ é tão numeroso que as reuniões são realizadas todos os segundos sábados do mês. Embora este fetiche tenha seguidores tanto masculinos como femininos, é mais comum na comunidade gay. Para alguns tem conotações de dominação e submissão, vestem-se em couro e látex, usam trelas e só fazem o que o seu mestre lhes ordena. Como explicado no website do International Puppy Contest (sim, também existe), "alguns cachorros pertencem e têm coleiras e alguns gostam apenas de ser vadios. Nunca agarrar a coleira de um cachorro se este tiver um cadeado, é desrespeitoso para com o seu dono".

Na mesma página dizem que treinar um cachorro humano pode ser tão difícil como treinar um cachorro verdadeiro. "Alguns cachorros desistem completamente de todas as características humanas, tornando-se um verdadeiro animal de estimação, enquanto outros retêm graus variáveis das suas características humanas". Esclarece que, dependendo do nível de jogo, muitos têm de ser ensinados a aliviar-se no exterior, a não falar e a não partir os móveis. Para o conseguir, pode recorrer a focinheiras, jaulas ou dispositivos de castidade "para evitar que cães excitados se esfreguem nos móveis ou nas pernas das pessoas". E dá um conselho para aqueles que querem ir longe demais. "Se a um cachorro humano nunca é permitido falar ou interagir como um ser humano normal durante longos períodos de tempo, pode tornar-se psicótico e perigoso para si e para ele próprio". Não temos muito mais a acrescentar, com uma festa deste género e uma visita ao Golden Gate, tem o fim-de-semana pronto.

Está a navegar na EroticFeel desde Estados Unidos e temos um site específico para esse país. A partir desta versão não realizamos envios para Estados Unidos, para isso deverá mudar de versão. Quer continuar a navegar na EroticFeel ou prefere mudar para o site de Estados Unidos?