Está a navegar na EroticFeel Portugal desde Estados Unidos e temos um site específico para esse país. A partir desta versão não realizamos envios para Estados Unidos, para isso deverá mudar de versão. Quer continuar a navegar na EroticFeel Portugal ou prefere mudar para o site de Estados Unidos?

Stonewall, a insurreição dos invertidos

"Quando eu era criança, nos anos 50, tinha a obrigação de casar com um homem, ter, em média, 2 ou 3 filhos, e eu era capaz de olhar para um homem e dizer, bem, objectivamente, ele é bonito, mas não sentia nada. Finalmente entendi quando beijei uma mulher pela primeira vez e pensei: é disto que se trata. Eu soube então que era lésbica, e também soube que iria experimentar o inferno, que iria caminhar através do fogo por experimentar aquilo, por causa daqueles beijos”. Poucas frases resumem tão bem o espírito que despertou na noite de 28 de junho de 1969 como esta dolorosamente bela declaração da ativista Martha Shelley no documentário “Uprising Stonewall”. A década da luta contra a Guerra do Vietnã, de Martin Luther King e suas marchas pelos direitos civis, da chegada do homem à lua, do LSD e dos hippies, terminou com a insurreição dos maricas, paneleiros, bichas, fufas, marias-rapazes, invertidos, e todos aqueles que políticos e pessoas como deve ser consideravam aberrações da natureza.

Porque no final dos anos 60, a homossexualidade era um crime e uma doença que o impedia de ser um trabalhador federal, um médico ou um advogado. A lei estipulava que era preciso usar pelo menos três peças de roupa que correspondessem ao sexo biológico. Gays, lésbicas e transgéneros enchiam hospitais psiquiátricos onde eram submetidos a tortura farmacológica, electrochoques, lobotomias ou castração, e anúncios da TV advertiam sobre os perigos da homossexualidade, considerada na altura como uma terrível doença mental. Não é apenas a faísca que pega fogo à casa, mas toda a palha acumulada ao longo dos anos no seu celeiro. “Não concordo, mas respeito” , “Vocês não precisam de direitos LGBT porque somos todos iguais” , "Não tenho preconceito, tenho até amigos que são gays” ou a nossa favorita, “Se há orgulho gay porque não há orgulho hetero?”. Se há por aqui algum utilizador destas pérolas de sabedoria, por favor, não precisa de continuar a ler; como diria o Sargento Murtaugh em "Arma Mortífera", estamos velhos demais para estas merdas.

O Stonewall Inn era um antro controlado pela máfia, um covil no meio do Village onde os donos subornavam a polícia e as batidas se seguiam com algumas detenções e pouco barulho. Perto do bar, os homossexuais faziam sexo em caminhões que eram usados para entregar carne durante o dia. Na noite de 28 de junho, à uma da manhã, o lugar estava lotado. As eleições de Nova Iorque estavam ao virar da esquina e a ordem era clara: aumentar os controles e limpar a cidade. Seis polícias à paisana entraram, pedindo aos presentes para se alinharem para a identificação, e, pela primeira vez, não o fizeram. Aquilo foi uma surpresa. Drag queens, lésbicas e gays confrontavam os agentes e atiravam-lhes moedas. Os polícias trancaram-se lá dentro com alguns dos clientes enquanto as pessoas se aglomeravam lá fora, centenas, talvez milhares de pessoas. Dentro, eles empilharam os móveis contra as janelas esperando por reforços que não chegavam. O medo tinha mudado de lado.

Finalmente, apareceram cinco autocarros cheios de agentes, mas a multidão nem sequer vacilou. As moedas foram substituídas por garrafas, vidros e caixotes de lixo a arder. Não havia bastões que chegassem. As pessoas corriam, cantavam, dançavam, gozavam com a polícia. "Nas manifestações pelos direitos civis corríamos à frente da polícia, nas marchas pela paz corríamos à frente da polícia, naquela noite a polícia fugiu de nós, os mais fracos do sistema. Foi fantástico”, diz um dos participantes do documentário. Isso não terminou em 28 de Junho. No dia seguinte, foram impressos e distribuídos folhetos, o movimento começou a se organizar, as manifestações foram agendadas e os tumultos e distúrbios duraram dias. E nunca mais se calaram.